sábado, 2 de maio de 2009

As viagens secretas de Jardinver ao mundo das lilliputianas

A villa não compreende o estado de choque em que ficou o mundo político nacional quando se soube que Alberto João Jardim, que tanto tem falado, embora com um acentuado sotaque madeirense, sobre a capacidade de gestão dos nossos governantes, afinal realizou em 2008 uma série de viagens secretas no valor total de meio milhão de euros.
Atendendo ao charme, inegável, do exemplar em causa, aliado à sua insaciável vontade de nos colocar a todos a rir e às cambalhotas, o mistério é facilmente desvendável.
Com efeito, este Gulliver dos tempos modernos dedica-se, nas horas vagas, a uma actividade que muitos dos políticos nacionais praticam com todos nós de forma abstracta. Ele, porém, fá-lo em concreto, visitando pela calada da noite, e sempre em actos oficiais, uma discreta pensão perdida na estrada que leva a Curral das Freiras.
Aliás, a comprovar o que afirmamos, deixamos o instantâneo (atenção que não é o fudim plan) que captámos à saída de mais uma deslocação em serviço, que serviu para levantar o moral (e, quiçá, algo mais) das tropas, numa altura em que comentava, baixinho, para um outro colega do Governo Regional da Madeira: "Mas onde raio é que ê dexê as calças? Tenho de ir já para um comício na Ponta do Sol e na me dava jêto nenhum fazê-lo em cuecas, que ainda constipava aqui o júnior".
Para que tudo fique, definitivamente esclarecido, resta acrescentar que as verbas gastas pelo Presidente da Região Autónoma estavam inseridas, no Orçamento Geral do Estado, no campo das despesas com a recuperação do património regional.
Está-se mesmo a ver qual!
Hic Hic Hurra

2 comentários:

Ana disse...

Se os alemães tivessem apanhado este magnífico instantâneo, tê-lo-iam integrado naquele belo cartaz, ao lado da Ângela Merkel em bikini...
Que este, sim, é um slip à maneira!

À sua!

Ainda bem que era o Curral de Freiras e não o Curral de Moinas que é cá no contenente e obrigava a mais despesas de deslocação.

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Ana,

É caso para se dizer que na Madeira há físico.

E nem é o Newton.

À Sua!!!

Hic Hic Hurra