sábado, 2 de maio de 2009

Óleo need is love

O Ministro Jaime Silva prometeu, faz algum tempo, que os galheteiros iriam voltar para as mesas dos restaurantes, o que levantou grande burburinho social e levou a que vários grupos parlamentares o questionassem sobre as consequências de tais declarações públicas.
Intrigado sobre o desenrolar, no hemiciclo, de um debate sobre a matéria a villa dirigiu-se à Assembleia da República e consultou o Diário da A. R. para ficar com uma ideia do que se teria passado naquela sessão.
Eis, então, o que vem relatado no referido Diário da A. R.:
OPOSIÇÃO - Senhor Ministro, V. Exa. tem, porventura, a noção do impacto das suas declarações junto da opinião pública?
Ministro da Agricultura do Desenvolvimento Rural e das Pescas (MADRP) - É claro que tenho, senhor deputado, acaso me tem por irresponsável?
OPOSIÇÃO - (silêncio absoluto)
MADRP - Então, não responde?
OPOSIÇÃO - Ai era para responder? Peço desculpa, senhor Ministro, mas pensei que não seria necessário dizer-lhe publicamente o que penso de si e do Governo do qual faz parte.
MADRP - Bom, deixe-se disso, senhor deputado, e vamos ao que interessa antes que eu fique com os azeites...
OPOSIÇÃO - O senhor Ministro sempre vai cumprir essa promessa dos galheteiros ou fica tudo novamente em águas de bacalhau?
MADRP - Senhor deputado, em primeiro lugar V. Exa. não tem nada a ver com o que eu penso ou não penso fazer. A seu tempo o saberá. Em segundo lugar, sempre lhe digo que também o senhor Primeiro-Ministro prometeu muita coisa antes de ser eleito e vai-se a ver...
OPOSIÇÃO - Exactamente, senhor Ministro, exactamente. V. Exa. assume, portanto, que o senhor e o Governo do qual faz parte promete muito mas nada cumpre, não é verdade?
MADRP - Não coloque em minha boca, senhor deputado, as palavras que eu nunca lhe direi. Esta questão do azeite não pode ser resolvida pela rama. Exige algum tempo de análise, muita ponderação, afinal falamos de um produto que cuja qualidade é internacionalmente conhecida.
OPOSIÇÃO - Não se ponha para aí com conversa fiada, senhor Ministro, que estamos para saber como se vai arranjar depois deste lindo molho de bróculos que criou com as suas palavras.
MADRP - Mas, afinal, senhor deputado, o que queria V. Exa. que eu tivesse dito? Devo lembrar-lhe que crescemos, eu o senhor deputado, com os galheteiros na mesa dos restaurantes e isso nunca foi um factor impeditivo de nada. Acha, sinceramente, que os consumidores ficariam menos protegidos, em termos de qualidade do azeite, com o regresso dos galheteiros?
OPOSIÇÃO - Então, assim sendo, o senhor Ministro é defensor dos galheteiros nas mesas dos restaurantes?
MADRP - Não foi isso que eu disse, pois não? Sou tanto a favor como contra, percebe senhor deputado?
OPOSIÇÃO - Sinceramente, não...
MADRP - É como sempre digo, vocês, senhores deputados, não percebem nada disto e depois o culpado é sempre o governo, não é?
OPOSIÇÃO - Senhor Ministro, não tente desviar a conversa, por favor...
MADRP - Está a insinuar que eu tenho condutas desviantes, senhor deputado? Tenha tento na língua, nem que o faça por razões institucionais!
OPOSIÇÃO - Mas, mas... eu não...
MADRP - É sempre a mesma coisa, estou aqui sempre disponível para os esclarecer e V. Exas. ainda por cima me ofendem! É lamentável que assim seja e, por isso mesmo, vou dar por terminada esta sessão de esclarecimentos, senhores deputados. E, já que vou sair daqui mais cedo, aproveito para ir prometer mais uns subsídios do Ministério aos agricultores que se dedicam à apanha da azeitona, pois as eleições estão à porta e há que saber temperar o eleitorado.
Acidez ao mais alto nível, eis o que resulta destes confrontos parlamentares...
Hic Hic Hurra

4 comentários:

Rabodesaia disse...

Caro Vizinho... Genial!! Parabéns!!

Ana disse...

Tenho que dar a mão à palmatória.
Afinal os nossos palamentares sempre são capazes de discutir assuntos de verdadeiro interesse para o futuro da nação.
Se bem que, daqui por um ano, quando já não houver bacalhau nem couves para pôr na mesa, o pormenor do galheteiro é capaz de perder importância.
E, para colocar tudo em pratos limpos, deixando de haver couves para que serve o ministro?

Estas elocubrações, depois do jantar, deixam-me sempre com azia.
O bigodinho de Sua Excelência, também.

À sua!

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Rabodesaia,

Fico-lhe, honestamente, muito grato pelo comentário.

Hic Hic Hurra

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Ana,

Eles são peritos nisso.

Aliás, as suas prioridades, infelizmente, são sempre diferentes das nossas.

Mas como são eles que mandam...

Hic Hic Hurra

PS - Gostaria de lhe dizer, à laia de confissão, que, mesmo existindo ainda couves em Portugal, eu não percebo para que serve o Ministro...