sábado, 10 de janeiro de 2009

Cruz Vermelha pensa seriamente em mudar de insígnia

Isto depois do Tenente-Coronel Rock et Murt Eiro, das forças especiais israelitas, ter vindo solicitar o envio de um novo contigente para a Faixa de Gaza, considerando que os veículos daquela força internacional são de extrema importância em zonas de conflito já que permitem à sua infantaria treinar a pontaria quando não encontram palestinianos à mão de semear.
Como se vê pela imagem que aqui deixamos, se Henri Dunant tivesse, em 1863, sonhado que aquele seria o sangrento destino a dar ao símbolo, por certo não deixaria de mandar todos os soldados para a... Cruz que os carregasse!
Hic Hic Hurra

2 comentários:

Ana disse...

A Cruz Vermelha fará melhor se começar a usar ambulâncias sem a velha insígnia.
Sinal dos tempos em que, em vez de se respeitarem ambulâncias, escolas, orfanatos e hospitais, estes são usados como alvos.
Por outro lado, esses mesmos locais são aproveitados para esconderijos de armas e agentes.
É um mundo de loucos.

Já que não podemos fazer nada contra isto, bebamos um golinho, para aquecer.

À sua!

feitobif disse...

Se a Cruz Tinta fosse Branca passava despercebida, teria menos perCALÇOS.
Mas que importância tem isso comparado como o nosso Cristiano, o melhor do Mundo?
Já fui buscar o estimómetro porque acho que minha estima está a subir de auto para alta.
Como disse o velho Semião, depois de ver o menino Jesus "Senhor,já posso morrer. Os meus olhos já viram o Salvador".
E eu vi, com estes dois, o nosso Cristianinho coroado por um tal...como é o nome do pretito?...ai, sim, Pelé, não, Pelé não, carago, esse joga no Porto.