sexta-feira, 19 de junho de 2009

Serão as formigas diabéticas?

A resposta a esta pertinente questão, fruto de mais um desafio que nos foi lançado, pode ser encontrada nos resultados das análises que fizemos a uma formiga que encontrámos no carreiro.
Nem foi necessário experimentar o sabor de uma formiga.
Por um lado por acreditarmos piamente na palavra da nossa querida Ana.rca, do blogue Passagem pela Terra, por outro por entendermos que não havia um nexo de causalidade entre o sabor do animal e a sua pretensa patologia (já imaginaram o sabor de uma mosca, tendo em atenção os locais por onde esta costuma andar?).
Depois de utilizarmos uma melga para extrair o sangue à formiga, e uma vez dissecada esta com uma palmada, os resultados laboratoriais que chegaram da Clínica do National Geographic Magazine deixaram toda a villa boquiaberta.
A glucose estava perfeitamente normal, o que comprova que a formiga não sofre de diabetes, mas chegou-se à conclusão que o seu metabolismo acusava altos índices de cocaína, epidefrina e viagra.
O que parece indiciar duas conclusões: que aqueles bichinhos gostam de snifar substâncias psicotrópicas e que a vida sexual das formigas é muito activa, talvez tanto ou mais do que a do seu principal predador: o papa-formigas.
É que estes aparentemente inofensivos animais, de acordo com a Wikipédia, são Napudas (atenção, não pensem que as fêmeas são papa-formigas da vida), uns bichinhos que fazem parte da ordem Pilosa, da classe Mammalia e da subordem Vermilingua (neste momento estou a conter-me para não desatar a escrever às gargalhadas).
Como se pode ver, animal mais sexy e dado à malandrice não existe e a formiga, certamente como forma de defesa perante os constantes ataques destes animais, decidiu ingerir quantidades industriais de açúcar e outros doces para poder proporcionar grandes momentos de prazer aos seus ancestrais inimigos, o que lhes fez estimular o apetite erótico e levou a grandes raves animalescas junto de formigueiros.
Já imaginaram o deleite que não será, para os papa-formigas, com uma língua daquelas (são da subordem Vermilingua, se estão recordados), dar umas lambidelas numa formiga que, momentos antes, andara a passear-se por um açucareiro ou bolo de chocolate?
Daí que, movidos pela curiosidade, decidimos efectuar novos testes nos papa-formigas e, pasmem, estes sim apresentam elevados níveis de glucose no sangue!
É que eles chamam um doce às formigas, e todos sabemos que o excesso do seu consumo...
Eis como a villa, sempre pronta a responder aos desafios que nos colocam, resolve mais um mistério da natureza, essa eterna surpresa universal, cujos mistérios são insondáveis até ao preciso momento em que eu ou o Nero cheguemos a uma conclusão lógica irrefutável, do ponto de vista vínico.
E não precisam de nos agradecer.
Nós somos assim, prestáveis por natureza!
Hic Hic Hurra

3 comentários:

ANA.RCA disse...

Ahahahahaha! Ainda me estou a rir... vermilingua, pilosa, mamalia, lololol. E ainda por cima drogam-se, lololol
Agora percebo pq é q as ditas se movimentam com tanta rapidez: efeitos da coca!

Esta foi bem enfrascada, maninho :)

Beijinhos

Ana disse...

Estando o autor deste magnífico e cultural post em local incerto, faço votos por que a ausência contribua para aprofundar (ainda mais) os seus conhecimentos sobre o reino animal.

Ufa! Só o trabalhão que deve ter dado andar tanto tempo em cima de formigas!
Eu pecadora confesso que sou muito mais chegada às cigarras.

Beijinho...inté.

Red Eagle disse...

Andas com uma veborreia cultural muito grande... Essa pinga deve ser da boa