sábado, 3 de janeiro de 2009

Castelo-Branco vira (mas ele já não havia virado?) Conde das Águas

E, em toda a sua nobreza, investe fortemente na pureza do líquido que permite ao organismo humano recarregar forças e baterias para a loucura do dia-a-dia.
Já registou a sua marca exclusiva e prepara-se para invadir um determinado nicho do mercado.
Que nicho?
Bom, isso fica ao critério dele...
Hic Hic Hurra

4 comentários:

Ana disse...

Nichos é o que não falta, com a crise que aí vai.
Muito bem pensado que a água seja "sin gas".
Esta gente não descura os pormenores.
Ouvi dizer que o Goucha já encomendou uma série de embalagens para servir lá no restaurante.

À vossa!

hermaneirinho disse...

Cuidado, Zé, porque embora prefiras o tinto, vê lá se não te deixas levar pelo Branco.
Nunca aceites fazer Castelos na areia. Nem brincar aos comerinhos.
Ainda que nestas coisas seja bom desconfiar, não ser má-língua.
Porque, às vezes, há tipos que parecem larilas... E SÃO MESMO !!!

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Ana,

Como dizia um amigo brasileiro que eu cá sei: "se ele fez isso, 'tá metido no maior Rolo!"

À nossa!!!

Hic Hic Hurra

Ze_Cuscopos disse...

Caro hermaneirinho,

Já me deixei levar várias vezes pelo Branco, mas nunca para o Castelo, que eu cá não sou nada apologista desses finais abichanados.

Pois estou consciente que existem uns quantos que não parecem, mas são, sendo o inverso igualmente verdadeiro, e outros tantos que, efectivamente, parecem e são!!!

Fosga-se!!!

Hic Hic Hurra